Sefarditas

Plataformas sociais como o Facebook e o Twitter costumam ser campo fértil para disseminação de lendas urbanas e informações falsas. Na segunda categoria eu encaixo as listas de sobrenomes de suposta origem judaica que dariam às pessoas que os tivessem o direito à cidadania portuguesa, conforme decisão do governo português publicada no Diário da República de 27 de fevereiro de 2015. Essa decisão repararia um erro histórico cometido contra os sefarditas, judeus da Península Ibérica.

Apresentação

Este blog se destina à discussão de temas e estratégias úteis para o genealogista amador, aquela pessoa que pode querer reconstruir a história de sua família pela pesquisa de seus antepassados ou apenas encontrar uma certidão de um antepassado para iniciar um processo de obtenção de cidadania. O foco de minha pesquisa é o eixo Brasil-Portugal, mas algumas dicas poderão ser úteis para outras regiões. Assine o site preenchendo o campo na parte superior da coluna à direita com seu e-mail. Dessa forma você receberá avisos de novas publicações quando elas estiverem disponíveis no blog. Não enviaremos propaganda ou spam.

Histórias

A pesquisa genealógica é baseada em documentos, como tenho explicado em todos os textos publicados até agora. Mas ela se alimenta também de outras fontes, entre elas as histórias de família. Toda família tem as suas, que são transmitidas de geração em geração, embora nem sempre as gerações mais novas deem a elas o devido crédito. Mas deveriam dar, se considerarem que um dia poderá surgir a necessidade ou a oportunidade de obtenção de cidadania para emigração. Minha experiência tem mostrado que, infelizmente, quando essa necessidade ou oportunidade surge, os interessados não têm os documentos de seus antepassados, não sabem…

Pesquisa

No texto anterior, eu prometi contar como saí da “situação grave” de não ter os documentos de meus avós falecidos nem a possibilidade de obter informações de meus parentes ainda vivos – filhos de meus avós. Pois aqui vou cumprir a promessa feita. Sempre soube, por informação de meu pai, nascido no Brasil, que meus avós paternos eram portugueses de Trás-os-Montes, como, aliás, boa parte dos portugueses que imigraram para o Brasil no século passado e no anterior. Só que saber isso, descobri muito mais tarde, não ajudaria em nada um genealogista amador como eu.