Horizontal

Na pesquisa para criação da árvores de costados, aquela que relaciona os antepassados diretos (avós, bisavós, trisavós, tetravós etc), o tempo é totalmente dedicado à busca dos assentos de batismo, casamento e óbito dessas pessoas. Dessa forma, procurar o assento de batismo do irmão de nosso bisavô, o que equivaleria a uma busca horizontal, pode não parecer uma estratégia interessante, pois apenas consumiria mais tempo.

Mas essa nem sempre é a forma inteligente de proceder, pois é comum encontrar obstáculos aparentemente intransponíveis pela ausência de registros paroquiais em certa localidade em determinado período. E é nesse momento que a busca horizontal revela seu valor. Vejamos um caso concreto de minha árvore genealógica. O assento de casamento abaixo é de meus antepassados de quinta geração:

PT-ADVIS-PRQ-PTBC03-002-0001_m0028_Casamento de José Antonio de Carvalho e Josefa Rosa
Casamento de José Antonio de Carvalho e Josefa Rosa do Espírito Santo – 15/02/1794 – Tabuaço, Viseu, Portugal

Aqui a transcrição:

Aos 15 dias do mês de fevereiro do ano de 1794, nesta igreja colegiada de Nossa Senhora da Assunção, se casaram em face d[e] Igreja, em minha presença e das testemunhas ao diante nomeadas, José Antonio de Carvalho, filho legítimo de Antonio dos Santos e Anna da Assunção, o qual se casou com Josefa Rosa do Espírito Santo, filha legítima de Manoel de Araújo e sua segunda mulher Antonia Maria da Nóbrega, todos naturais e moradores nesta freguesia. Sendo este casamento o primeiro da parte de um e outro. Foram testemunhas presentes o padre José do Amaral, o doutor Antonio Borges, André de Macedo e grande parte de meus fregueses. E para constar fiz este termo de assento que assinei com as testemunhas presentes: José Cardoso da Nóbrega e Manoel de Araújo. Dias, mês e ano ut supra.

Por meio desse assento, eu tenho os nomes dos ditos antepassados: José Antonio de Carvalho – denominado José António dos Santos Morgado em outros assentos – e Josefa Rosa do Espírito Santo. Tenho também, como é de se esperar, os nomes de seus pais: Antonio dos Santos e Anna da Assunção, os dele, Manoel de Araújo e Antonia Maria da Nóbrega, os dela.

Ocorre que, por indisponibilidade de documentos, eu não teria mais como avançar para a geração seguinte, anterior à dos pais dos noivos – a sétima geração. Eu já dava a questão como encerrada quando encontrei o assento abaixo, no qual se informa que Clara Maria, filha de Antonio dos Santos Morgado e Anna da Assunção, naturais de Barcos, neta paterna de Antonio Gil e Maria João, naturais de Adorigo, e neta materna de José de Carvalho e Maria da Silva, naturais de Barcos, casou-se com José Martins em 9 de junho de 1778.

PT-ADVIS-PRQ-PTBC03-002-0001_m0007_Casamento de José Martins e Maria Clara
Casamento de José Martins e Clara Maria – 9/06/1778 – Tabuaço, Viseu, Portugal

Clara Maria era, portanto, irmã de José António dos Santos Morgado. Seu assento de casamento era o que eu precisava para avançar até a sétima geração e indicava as localidades onde continuar a pesquisa – Barcos e Adorigo. Além disso, o assento informava que todos os avós estavam sepultados em Barcos, o que me permitiria buscar seus respectivos assentos de óbito e testamentos.

Uma curiosidade é que o novo assento também informa que Morgado era a alcunha (apelido, no sentido que se dá à palavra no português do Brasil) de José Antonio dos Santos Carvalho. Segundo Queiroz e Moscatel, esse sobrenome não implica a existência um antepassado com vínculo de morgado – costume da nobreza segundo o qual o filho mais velho herdaria os bens do pai falecido – , mas provavelmente apenas a descendência de um filho mais velho de algum lavrador com alguns bens.

A pesquisa horizontal, então, complementa e supre as carências da pesquisa vertical. O tempo consumido mais do que compensa se comparado à frustração de se ver em uma via sem saída quando os registros paroquiais parecem ter desaparecido.


José Araújo é linguista e genealogista amador.

2 comentários

  1. […] assentos de casamento e óbito). A análise de assentos de irmãos do antepassado, como sugeri em outro texto, também é importante, pois esses assentos poderão conter informações que ratifiquem outras já […]

  2. […] Teria sido um engano do pároco? Teria José Pinto, após a perda da mulher, mantido um relacionamento à margem da Igreja com Maria? Até que se possa encontrar o registro de casamento de José Pinto com Maria, ou o óbito desta, o mistério continuará insolúvel. De qualquer forma, este caso ilustra mais uma vez a importância de ampliar a pesquisa para além dos antepassados diretos, assunto que já abordei em outro texto. […]

Os comentários estão encerrados.