Misto

Os assentos paroquiais, como já informei em outro texto, eram os meios de registro dos principais eventos da vida das pessoas – nascimento e batismo, casamento e óbito – até que tais registros passassem a ser feitos em conservatórias de registos civis, os cartórios portugueses, a partir de 1911.

Nesse contexto, o assento de batismo que apresento abaixo, de uma prima de meu avô paterno, mostra bem esses dois momentos: um típico assento paroquial da segunda metade do século XIX e uma averbação posterior feita na margem com seu registro de óbito no padrão dos registros de conservatória da primeira metade do século XX.

Batismo de Maria Emília
Batismo de Maria Emília – 17/12/1857 – Barcos, Tabuaço, Viseu

Aqui a transcrição:

Aos 17 dias do mês de dezembro do ano de 1857, eu, Antonio Rodrigues Pinheiro, abade colado nesta igreja de Nossa Senhora da Assunção da vila de Barcos, nela solenemente batizei a Maria Emília, que tinha nascido no dia nove do dito mês, filha legítima de Antonio de Araújo e de sua mulher Maria da Gloria, primeiro matrimônio entre ambos, naturais desta vila, neta paterna de Júlio de Araújo e de sua mulher Maria Rita, e materna de José Maria da Silva Barradas e de Eugênia de Oliveira Pinto, todos desta vila. Foram padrinhos Antonio Cardoso de [Lucena] Araújo, solteiro, filho natural de Lázaro Cardoso de [Lucena], da vila da Ponte, e D. Leonor Amália Falcão Sarmento, desta vila, e por procuração desta tocou a batizada ao sair da pia D. Theresa Amália, viúva de José de Meneses, natural desta vila, e testemunhas José Antonio de Araújo e José Coelho desta vila, que para constar comigo assinam este assento que eu fiz era ut supra.

— O indivíduo a que este registro se refere faleceu no Porto, na freguesia de Bonfim, no dia quatro do corrente mês. Registro número 11 da Primeira Conservatória do Registo Civil do Porto, arquivado no maço [] 35 desta repartição. Emolumentos um escudo e cinquenta centavos. Tabuaço e Conservatória do Registo Civil aos oito de janeiro de 1938 = O Conservador Manuel Coutinho


José Araújo é linguista e genealogista amador