Confusão

Assentos paroquiais constituem uma fonte preciosa para a descoberta de nossos antepassados. Embora a Igreja estabelecesse padrões rígidos para os registros de batismo, casamento e óbito e fizesse visitas periódicas às paróquias para observar irregularidades, nem sempre encontramos nos assentos informações consistentes, o que torna a pesquisa por vezes bastante confusa.

Uma fonte de confusão bastante comum é a variação nos nomes dos familiares – pais, mães, avós e até padrinhos e testemunhas. Um desses casos foi observado nos registros de batismos de três filhos de Joaquim e Águeda, supostos tios de meu bisavô materno João Pereira Belém.

O primeiro assento é o de Vitalina, no qual se registra que era neta paterna de Fausta Maria da Purificação Belém e materna de Joanna Maria de Jesus Moura.

Aos três dias do mês de setembro de 1853, nesta freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Bananal, batizei solenemente e pus os santos óleos a inocente Vitalina, nascida em nove de janeiro do corrente ano, filha legítima de Joaquim Pereira Belém e de Águeda Maria […] ambos naturais e fregueses desta freguesia, neta paterna de Manoel Pereira Belém e de Fausta Maria da Purificação Belém, naturais desta freguesia, e materna de Mariano Pereira Ramos e de Joanna Maria de Jesus Moura, naturais desta freguesia. Padrinhos Joaquim Mariano de Moura e D. Joana Maria de Jesus Moura, sua mulher. De que, para constar, fiz este assento.

No assento de batismo de Joanna, irmã de Vitalina, a avó paterna – que também foi madrinha da menina – recebe o nome de Fausta Maria Pereira Belém, enquanto a materna é identificada como Joanna Maria da Conceição.

Aos nove dias do mês de setembro de 1854, nesta igreja de Nossa Senhora da Conceição do Bananal, batizei solenemente e pus os santos óleos a inocente Joanna, nascida em agosto do corrente ano, filha legítima de Joaquim Pereira Belém, natural e batizado na freguesia de S. Francisco [] de Itaguaí, e de Águeda Maria Belém, natural e batizada nesta freguesia, neta paterna de Manoel Pereira Belém, já falecido, e de D. Fausta Maria Pereira Belém e materna de Mariano Pereira Ramos, já falecido, e de D. Joanna Maria da Conceição. Foram, padrinhos Antonio José da Silva Ramos e D. Fausta Maria Pereira Belém. Do que para contar fiz este assento.

No assento de Cypriano, irmão das meninas, a avó paterna é novamente identificada como Fausta Maria da Purificação Belém, enquanto não se reconhecem mais os nomes dos avós maternos, embora apenas três anos tenham-se passado desde o nascimento anterior.

Aos quatorze dias do mês de fevereiro de 1857, nesta igreja matriz de Nossa Senhora da Conceição do Bananal, batizei solenemente e pus os santos óleos ao inocente Cypriano, fluminense, que nasceu há quatro meses, filho legítimo de Joaquim Pereira Belém e Águeda Maria de Jesus, ambos naturais desta freguesia de onde são moradores, avós paternos Manoel Pereira Belém, já falecido, e Dª. Fausta Maria da Purificação Belém, maternos ignoram-se. Foram padrinhos Miguel Pereira Ramos e Anna Maria de Jesus, sua mulher. De que para constar fiz este assento.

Aqui a imagem desse assento:

record-image_939X-3394-W1
Batismo de Cypriano Pereira Belém – 14/02/1857 – Bananal, Itaguaí

Os dados permitem constatar que se trata das mesmas pessoas, mas uma análise superficial poderia causar confusão ao desavisado. Por essa razão é sempre importante não julgar que informações ligeiramente diferentes refiram-se a pessoas diferentes até que se encontrem outros assentos para confronto e comparação.


José Araújo é linguista e genealogista amador.

1 comentário

  1. […] casos de diferenças pequenas em registos paroquiais, nenhum caso similar de pseudonímia foi encontrado em minha família, portanto este segue sendo […]

Os comentários estão encerrados.