Sobrenomes

A complexidade da estrutura dos sobrenomes/apelidos portugueses é reflexo, segundo Carlos Bobone, de “uma sociedade altamente hierarquizada, mas sem uma divisão única e clara das camadas sociais”. Nessa sociedade, as famílias faziam escolhas convenientes conforme a ordem fosse ostentar nobreza, provar sua fé ou afastar suspeitas de pertencimento a grupos perseguidos – p.ex. judeus e mouros.