Ausente

Participo de várias comunidades dedicadas à genealogia no Facebook. Embora algumas sejam mais úteis e ativas que outras, considero a participação nessas comunidades uma excelente forma de aprendizagem para o genealogista amador, pois nelas costumam ser publicadas dúvidas e pedidos de ajuda que, ainda que não tenham a ver com nossas pesquisas pessoais, oferecem lições preciosas sobre como e onde […]

Leia Mais →

Raridade

Em textos anteriores, tratei da complexa onomástica portuguesa, isto é, dos costumes de atribuição de nomes e apelidos (sobrenomes) praticados em Portugal em séculos passados.

Leia Mais →

Querela

Até que a evolução da Medicina e das condições sanitárias trouxesse uma progressiva queda nos índices de mortalidade infantil, era comum que as famílias perdessem vários de seus filhos na infância, adolescência e até já entrando na idade adulta. É uma dor difícil de mensurar, mas o que devem ter sentido os pais de Anna Maria, tia-avó de minha bisavó […]

Leia Mais →

Libertas

Em texto anterior, discuti o resultado de um teste genético que comprovaria um fato desconhecido em minha família materna: minha avó materna, que para todos os efeitos era branca, na verdade tivera uma avó ou bisavó escrava. Outro fato igualmente surpreendente foi a descoberta de que também meu bisavô, pai de minha avó materna, tivera antepassadas escravas.

Leia Mais →

Papa

No ritual do batismo católico, a criança é ungida com óleos santos, e esse ato era normalmente descrito nos assentos paroquiais  antigos. No assento que se vê abaixo, de minha antepassada direta de cinco gerações, não foi diferente.

Leia Mais →

Cunhada

Levirato ou levirado – de levir, cunhado em latim – é o nome que se dá ao casamento celebrado entre um homem e a viúva de um de seus irmãos que não deixou descendente do sexo masculino. Trata-se de um costume citado já no Velho Testamento e consta que ainda seja praticado em algumas comunidades da Ásia.

Leia Mais →

Pai

Na língua portuguesa, as palavras padre e pai têm significados distintos. Sua raiz etimológica, no entanto, é comum: o acusativo latino de pater – patrem -, que significava pai. Mas o que dizer quando o padre e o pai são a mesma pessoa, como no caso de Luís de Amaral, meu antepassado de seis gerações?

Leia Mais →

Mortalidade

Maria Antonia Lopes afirma que, “entre 1860 e 1890 a mortalidade portuguesa rondava, em anos normais, os 21% a 25%, ultrapassando os 30% em anos de crise”. E afirma ainda que a mortalidade infantil nos primeiros doze meses de vida era elevadíssima. Podemos imaginar que esses valores fossem mais elevados em décadas anteriores.

Leia Mais →