Apelidos

Ter sobrenome – ou apelido, como se diz em Portugal – é hoje normal. Em tempos remotos, no entanto, eles nem mesmo existiam e, quando passaram a existir, demoraram muito tempo para se tornar obrigatórios. Em Portugal, por exemplo, isso apenas ocorreu, a partir de 1928, embora seu uso fosse regulamentado desde 1911.

Leia Mais →

Casamentos

A pesquisa genealógica costuma começar pelos documentos que estão na mão do pesquisador, normalmente sua própria certidão de nascimento, a certidão de casamento (ou óbito) de seus pais e, com um pouco de sorte, a de seus avós. Infelizmente, conforme se avança pelas gerações e os séculos, é certo que não haja mais documentos disponíveis em arquivo pessoal.

Leia Mais →

Diferença

Dizem que o amor é cego e que o coração tem razões que a própria razão desconhece. Mas nem sempre faltam razões para explicar o que poderia ser apenas um caso de amor. A diferença de idade entre os cônjuges, embora seja tranquilamente explicável por razões afetivas, por vezes pode ter outras explicações. Vejamos um caso que extraí de minha […]

Leia Mais →

Ferramentas

Conforme a pesquisa documental avança e os assentos se acumulam, torna-se necessário organizá-los em sequência lógica para dar conta de complicações como segundos casamentos, casamentos consanguíneos e filhos não reconhecidos.

Leia Mais →

Evolução

Em texto anterior, comentei que a quantidade de informações contidas nos assentos de batismo, casamento e óbito variou ao longo dos séculos em Portugal. Como afirmam Queiroz e Moscatel, do século XVI ao século XIX, os assentos incorporaram mais informações.

Leia Mais →

Mistérios

Na pesquisa documental, por vezes nos deparamos com coincidências e mistérios. Os dois casos abaixo ilustram essas situações. O primeiro caso foi encontrado no mais antigo registro paroquial em minha árvore de costados até este momento. Trata-se do assento de casamento de Manoel e Maria Nunes, meus antepassados de nona geração. A curiosidade está na coincidência dos nomes de suas mães, ambas […]

Leia Mais →

Assentos

Assento é o nome que a igreja dava aos documentos que registravam os principais eventos da vida nos séculos passados, antes que os registros passassem a ser obrigatoriamente feitos em cartórios, o que em Portugal ocorreu a partir de 1911. Os três assentos principais eram o de batismo, o de casamento e o de óbito, e as paróquias costumavam manter livros separados para cada tipo de registro – ou registo, como se diz em Portugal -, embora houvesse livros mistos.

Leia Mais →