Pai

Na língua portuguesa, as palavras padre e pai têm significados distintos. Sua raiz etimológica, no entanto, é comum: o acusativo latino de pater – patrem -, que significava pai. Mas o que dizer quando o padre e o pai são a mesma pessoa, como no caso de Luís de Amaral, meu antepassado de seis gerações?

Paternidade

Existe em minha árvore familiar, no lado materno, um enigma ainda por resolver: meu bisavô chamava-se Arthur e era filho natural de Julinda Dias Seabra (1843-1884). Até este ponto, eu estava conformado, pois isso significava que Julinda não era casada com o pai de Arthur quando ele nasceu. Essa informação é encontrada no assento de casamento de Arthur com minha bisavó Algemira, como se vê abaixo.

Incomum

Cipriano de Macedo Pinto era primo de minha bisavó paterna e nasceu em Barcos, Tabuaço, Viseu, em quatro de agosto de 1843, tendo sido batizado em casa no mesmo dia “por estar em perigo de vida”. À pia batismal ele só foi no dia 15 do mesmo mês e ano.

Naturais

Maria, filha natural de Maria Pinto, solteira, e pai incógnito, do lugar de Safes, neta materna de Joaquim Pinto e Anna Nunes, todos do mesmo lugar de Safes desta freguesia de São Mamede de Ribatua, nasceu no dia 5 de maio de 1856 e no dia 22 do mês de dezembro do dito ano foi solenemente batizada e consagrada com os santos óleos na forma costumada da igreja por mim, coadjutor desta freguesia, Antonio Lopes Pereira [Moutinho]. Foram padrinhos Manoel Pinto Laiginhas e sua mulher Maria [], do mesmo lugar de Safes. De que para constar fiz este termo que…