Mobilidade

Até onde pude averiguar, e contando minha árvore já com cerca de 500 antepassados diretos e indiretos, boa parte de minha família paterna vivia entre Bragança (Carrazeda de Ansiães), Vila Real (São Mamede de Ribatua) e Viseu (Tabuaço, Tarouca), ou seja, entre o norte e o centro de Portugal.

A maioria desses antepassados nasceu, casou e morreu na mesma localidade, o que facilitou muito a busca por seus assentos paroquiais mediante aplicação da regra dos 25. Mas também houve mobilidade, ou seja, alguns antepassados saíram definitivamente sua localidade de nascimento em determinada parte da vida.

Excetuando os que possam ter falecido repentinamente em outra localidade onde se encontravam por motivo de trabalho, e lá acabaram sepultados, e os que emigraram temporariamente por motivos políticos, vários antepassados mudaram-se para outras localidades por motivo de casamento – o que parece ter sido o motivo mais comum – ou em busca de oportunidades fora de Portugal – caso de meus avós paternos.

O caso abaixo permanece um mistério. O óbito de Maria Emília, prima de meu avô paterno, foi registrado no Porto, mais de 140 km de sua cidade natal, Tabuaço, em Viseu, onde ela nascera 81 anos antes.

Batismo de Maria Emília

Batismo de Maria Emília – 17/12/1857 – Barcos, Tabuaço, Viseu

Aqui a transcrição:

Aos 17 dias do mês de dezembro do ano de 1857, eu, Antonio Rodrigues Pinheiro, abade colado nesta igreja de Nossa Senhora da Assunção da vila de Barcos, nela solenemente batizei a Maria Emilia, que tinha nascido no dia nove do dito mês, filha legítima de Antonio de Araújo e de sua mulher Maria da Gloria, primeiro matrimônio entre ambos, naturais desta vila, neta paterna de Júlio de Araújo e de sua mulher Maria Rita, e materna de José Maria da Silva Barradas e de Eugênia de Oliveira Pinto, todos desta vila. Foram padrinhos Antonio Cardoso de [Lucena] Araújo, solteiro, filho natural de Lázaro Cardoso de [Lucena], da vila da Ponte, e D. Leonor Amália [Farias] Sarmento, desta vila, e por procuração desta tocou batizada ao sair da pia D. Theresa Amália, viúva de José de Meneses, natural desta vila, e testemunhas José Antonio de Araújo e José Coelho desta vila, que para constar comigo assinam este assento que eu fiz era ut supra.

O registro do óbito aparece como averbação na margem esquerda:

O indivíduo a que este registro se refere faleceu no Porto, na freguesia de Bonfim, no dia quatro do corrente mês. Registro número 11 da Primeira Conservatória do Registro Civil do Porto, arquivado no maço [] 35 desta repartição. Emolumentos um escudo e cinquenta centavos. Tabuaço e Conservatória do Registro Civil aos oito de janeiro de 1938 = O Conservador Manuel Coutinho

A razão dessa mobilidade ainda não foi descoberta, embora seja bastante provável que tenha ocorrido por motivo de casamento.


José Araújo é linguista e genealogista amador.