Assimilação

José Macedo de Araújo nasceu por volta de 1895 na vila de Barcos, no concelho de Tabuaço, em Viseu, Portugal. Era filho de meu avô Antonio e de sua primeira mulher Luisa de Macedo. Era também o filho – homem – mais velho quando meu avô chegou com a mulher e seus sete filhos ao porto de Santos, no estado de São Paulo, em 14 de abril de 1905. A família se estabeleceu na vila de Maxambomba, atual Nova Iguaçu, estado do Rio de Janeiro.

José Macedo, desde bem jovem, demonstrou uma natureza empreendedora e saiu da casa do pai para tentar a vida com o irmão Antônio, dois anos mais novo, que morreu pouco depois de tuberculose. Com um empréstimo de Vasco de Macedo, irmão de sua mãe e também seu padrinho, José seguiu em frente e comprou um sítio, tornando-se agricultor.

Até aqui, narrei a trajetória de vida de meu tio a partir das pistas encontradas em um registro de desembarque e em um relato que me foi enviado por um primo. Deste ponto em diante, narrarei o que descobri de sua trajetória a partir do que dele se falou nos jornais, entre as décadas de 1920 e 1960, que foram encontrados em pesquisa na base de dados Hemeroteca Digital.

Em 1929, quando deveria ter 34 anos, José Macedo demonstrava estar plenamente integrado à vida cultural da “adiantada estação de Nova Iguaçu”. Segundo a edição de 6 de janeiro do jornal A Crítica (p. VI), ele era procurador do bloco carnavalesco Comtigo Eu Posso, que “deu o grito de carnaval na rua”, em 1º de janeiro, mobilizando “as meninas mais bonitas e elegantes para poder assim apresentar tudo digno de se ver”.

Crítica_6jan1929_b
A Crítica – 6/01/1929

Já na edição do dia 9 (p. VI), ficamos sabendo que Maximiano de Macedo, outro irmão de sua mãe, era membro da comissão de carnaval desse bloco, que contava com o apoio do comércio e das famílias locais para apresentar um “carnaval digno daquella população em franco progresso”.

Crítica_9jan1929_b
A Crítica – 9/01/1929

Na década de 1930, já encontramos José como um agroempresário reconhecido, pois a edição do Jornal do Brasil de 10 de janeiro de 1930 seu nome é relacionado entre os exportadores de laranja – cultura que marcou a economia local. Segundo relato da já citada carta, José teria viajado à Argentina para negociar seus produtos.

JB_10jan1930
Jornal do Brasil – 10/01/1930

Na edição de 25 e 26 de maio de 1931, foi publicado o texto do telegrama expedido ao Sr. Interventor Federal no Estado do Rio de Janeiro contendo moção de apelo “para o patriotismo impoluto de Plínio Casado, para que continue a honrar o Estado com a sua chefia administrativa.” Assinam o telegrama o “agricultor e exportador” José Macedo de Araújo e inúmeros representantes da “sociedade de Iguassu” (sic).

JornaldoCommercio_25e26maio1931_1
Jornal do Brasil – 25-26/05/1931

Por ter adquirido “prédios á estrada Nazareth n. 20, frente fundos, por 25:000$000”, José Macedo tem seu nome relacionado entre dos “que adquiriram immoveis” no Correio da Manhã de 7 de fevereiro de 1931. Já na sessão de 8 de setembro de 1931 da Junta Comercial do Rio de Janeiro, ficou registrada a sociedade solidária de Gabriel Cruz e José Macedo de Araújo na firma Da Cruz & Araujo, comércio de padaria e confeitaria situado na estrada Nazareth n. 24, com capital de 40:000$000, conforme publicado no Correio da Manhã de 10 de setembro. José era literalmente um homem de variados negócios.

CorreiodaManha_10set1931
Correio da Manhã – 10/09/1931

A estrela de José Macedo deve ter brilhado nos céus em janeiro de 1935, pois, segundo o jornal A Nação do dia 16, sua apólice de seguros foi sorteada em dinheiro (em vida) no 114º sorteio, feito no dia anterior, pela Equitativa dos Estados Unidos do Brasil. José era não apenas um homem empreendedor, mas também um homem de sorte.

ANação_16jan1935
A Nação – 16/01/1935

Em 1936, segundo aviso publicado no Jornal do Brasil em 14 de junho, José Macedo dava mais uma prova de seu empenho empreendedor ao buscar autorização para construir um posto de gasolina no número 798 da já conhecida Estrada do Nazaré.

JB_14jun1936
Jornal do Brasil – 14/06/1936

Seu “commercio de gasolina, etc.”, com capital de 3:000$000, no endereço citado antes, é divulgado no Correio da Manhã de 18 de abril do ano seguinte.

CorreiodaManha_18abr1937
Correio da Manhã – 18/04/1937

Às vésperas da década de 1940, pouco após o mundo entrar novamente em guerra, José ampliava seus negócios no comércio de combustíveis ao adquirir de Nestor P. Simões uma “Bomba de Gazolina e Accessorios para Automoveis” na rua Marechal Floriano n. 340, no centro de Nova Iguaçu, conforme declaração publicada no Jornal do Brasil de 31 de março.

JB_31mar1939
Jornal do Brasil – 31/03/1939

Podemos imaginar que José foi sábio em diversificar seus negócios, pois a cultura da laranja entraria em decadência a partir da década seguinte em função de problemas logísticos, de uma praga e da falta de apoio dos governantes aos agricultores. Nova Iguaçu, que chegou a ser conhecida como cidade perfume por conta de seus laranjais em flor, se tornaria conhecida como cidade dormitório.

Com relação a esse mesmo ano, descobri pela Gazeta de Notícias de 14 de dezembro que José Macedo era proprietário de um prédio no número 5.330 da Avenida Automóvel Club, na Pavuna, o qual era vizinho ao lote de um terceiro que teve seus bens penhorados conforme edital de arrematação publicado nesse jornal.

GazetadeNotícias_14dez1939
Gazeta de Notícias – 14/12/1939

A sorte de José parece ter mudado no início da década de 1940, pois, conforme anúncio no Jornal do Commercio de 10 de maio de 1941, ele sofreu uma ação de desapropriação movida pela União. A razão que teria motivado tal ação não é conhecida, da mesma forma que não é declarada a propriedade a ser desapropriada.

JornaldoCommercio_10mai1941
Jornal do Commercio – 10/05/1941

Em meados dessa década, José Macedo já teria vendido uma área de terreno de 7.282,50 metros quadrados na Estrada Velha da Pavuna. A escritura teria sido lavrada em 6 de setembro de 1943, segundo consta no Relatório da Diretoria da Companhia Federal de Fundição publicado em 22 de março de 1945 no Correio da Manhã.

CorreiodaManha_22mar1945
Correio da Manhã – 22/03/1945

A década teria ao menos um fato positivo, segundo O Jornal de 14 de março de 1948, pois José Macedo e senhora casariam seus filhos Luiza e Waldir no sábado, 20 de março, com cerimônia religiosa na residência, na rua dr. Tibau, 102. Este com a senhorita Iraci Coelho Guimarães, aquela com o jovem José Ferreira.

OJornal_14mar1948
O Jornal – 14/03/1948

Em 1949, nova desapropriação, desta vez movida pela Prefeitura do Distrito Federal de terrenos na Praia de Maria Angu, hoje Ramos, no subúrbio carioca, onde havia um porto para desembarque da produção agrícola destinada à cidade. O edital foi publicado n’O Jornal de 22 de novembro.

OJornal_22nov1949
O Jornal- 22/11/1949
porto de maria angu1
Porto de Maria Angu – ca. 1930

Apesar das desapropriações da década de 1940, sabemos que José Macedo ainda era dono de grandes extensões de terra no fim da década seguinte. O aviso de um leilão judicial publicado n’O Jornal de 27 de abril de 1958 informa que José Macedo e seu pai Antônio Pinto, meu avô paterno, possuíam terrenos às margens da Avenida Presidente Dutra – conhecida como Rio-São Paulo – na altura dos quilômetros 24 e 25 no sentido São Paulo.

OJornal_27abr1958
O Jornal – 27/04/1958

Na década de 1960, já após a tomada do poder pelos militares, temos a informação de que José Macedo foi vítima de aproveitadores que lhe compraram grande extensão de suas terras por valor irrisório. Esse fato foi discutido em outro texto e pode ser lido aqui também em publicação do Diário de Pernambuco de 24 de maio de 1964.

DiáriodePernambuco_24mai1964
Diário de Pernambuco – 24/05/1964

Em sua trajetória, repercutida por várias décadas em diferentes jornais, percebemos que o português José Macedo não teve dificuldade para se integrar na cultura brasileira. Aqui ele cresceu, teve participação em um dos principais eventos culturais da nação, empreendeu e criou seus filhos. Por tudo isso o episódio de que foi vítima na década de 1960 se torna ainda mais chocante.


José de Araújo é linguista e genealogista amador.