Ilustre

Nos portais de algumas localidades portuguesas existem páginas dedicadas às pessoas ilustres que nelas viveram. Tais páginas podem conter informações úteis para nossa genealogia quando temos a certeza de que nossas famílias são originárias dessas localidades.

Minha família paterna é originária da vila de Barcos, no município de Tabuaço, concelho de Viseu. Tabuaço tem seu portal na web e nele existe uma página dedicada às figuras ilustres que lá nasceram ou viveram. Nessa página eu já havia encontrado informações sobre meu primo José Pinto Rebello de Carvalho Souto (1787-1870), a quem já dediquei alguns textos aqui no blogue.

Na mesma página, existem biografias de alguns Macedos e Pintos ilustres que, embora tenham sobrenomes encontrados também no meu ramo paterno, não fazem parte de minha família. E existe a biografia do comendador Eurico António de Araújo Vilela, nascido em Barcos em 1924. Embora o comendador também tenha Araújo entre seus apelidos/sobrenomes, não foi por isso que suspeitei de um possível parentesco, ainda que distante.

Eurico António de Araújo Vilela

Eurico foi filho Rosa Cardoso Rebelo do Souto e do padre Ismael de Araújo Vilela (1873-1938), natural de Abaças, Vila Real e pároco em Barcos. Os apelidos Rebelo e Souto, como deve ter ficado evidente, também são os de meu primo citado antes, que foi filho do médico José Pinto do Souto (1762-1842) e neto do cirurgião António Pinto Rebello (1727-1808). Como tudo isso poderia se tratar de um mero acaso, decidi investigar a possibilidade de um parentesco comum entre mim e Eurico.

Os Souto de minha família, eu já sabia, eram originários de Santa Leocádia, também em Tabuaço, e, mais remotamente, de Lumiares, em Armamar. Ocorre que a mãe de Eurico, logo descobri, era originária de Santa Leocádia, onde nascera em 5 de junho de 1899, filha do alfaiate Álvaro dos Santos Aguiar e de Deolinda Cardoso do Souto. A partir dessa descoberta, procurei os assentos de batismo e casamento de seus antepassados nos livros disponíveis no FamilySearch.

Por meio desses documentos consegui chegar até nossos antepassados em comum: Maria Josefa do Souto, casada em Santa Leocádia, em 27 de fevereiro de 1724, com Domingos Silva Portela. Maria Josefa e Domingos foram os pais de outra Maria Josefa, de quem descendo diretamente, e de Ana, de quem Eurico descende. Assim ficou comprovado nosso parentesco, ainda que em grau remoto, como se vê no gráfico abaixo.

Meu sexto-primo Eurico foi agraciado com os graus de Cavaleiro e Comendador pela Soberana Ordem Militar dos Cavaleiros de Colombo e recebeu, da Fundação Luís Vaz de Camões, o diploma e a medalha comemorativa das comunidades de Língua Portuguesa.

Um aspecto curioso que une nossas histórias é o facto de que os restos mortais de seu pai Ismael de Araújo Vilela dividem espaço do túmulo de minha também prima Maria Adelaide Sá Menezes (1826-1878), conhecida como santa.


José Araújo é linguista e genealogista amador.