Médicos

“Médico” desde sempre foi coisa rara e cara. Era aquele que “curava e aplicava remédios”, segundo o dicionarista Bluteau. Em Portugal, a ciência se dividia em dois ramos: um erudito, exercido por médicos formados, outro, mais prático, desempenhado por cirurgiões, barbeiros e parteiras, que realizavam sangrias, extraíam dentes e, quando possível, tratavam de ossos quebrados. | Mary Del Priore – Histórias da Gente Brasileira – Volume 1

Leia mais »

Atalhos

Afirmei aqui inúmeras vezes que as fontes primárias para a pesquisa genealógica são os assentos paroquiais – e certidões cartoriais ou de conservatória – de batismo, casamento e óbito. É a partir dessas fontes que obtemos datas precisas, nomes de pais, avós e padrinhos e testemunhas que podem ser aparentados das pessoas nomeadas.

Leia mais »

Muros

A expressão inglesa brick wall – muro de tijolos – é usada para descrever o ponto a partir do qual a pesquisa genealógica é interrompida pela inexistência – ou impossibilidade momentânea – de encontrar novos registros documentais a respeito de um antepassado ou um costado da árvore genealógica.

Leia mais »

Estrangeiros

A atividade política não goza de boa opinião perante o povo brasileiro há décadas, e os recentes escândalos de corrupção envolvendo figuras importantes da política nacional certamente não ajudam a mudar esse cenário. Com a rapidez de circulação das informações no mundo contemporâneo, sobra uma impressão de caos generalizado.

Leia mais »

Antagonista

A seção Figuras Ilustres do portal do município português de Tabuaço, em Viseu, informa que José Pinto Rebello de Carvalho (1788-1870) foi um escritor, político e médico muito envolvido na causa do liberalismo e cita alguns dos principais eventos de sua biografia e dos textos que ele publicou. Do texto descritivo apresentado, extraio a seguinte passagem, com meus destaques no texto:

Leia mais »